[layerslider id="15"]

Dra Daniela Shapiro – Médica brasileira especialista em câncer de mama

Dr Daniela Shapiro
21 out 2019

O número de casos de câncer vem aumentando assustadoramente nos últimos anos. É o principal causador de mortes na Flórida desde 2011, tornando nosso Estado o segundo em número de casos de câncer no país. Uma média de 100.000 novos casos são diagnosticados e relatados anualmente no registro estadual de câncer, o Florida Cancer Data System. Os 10 cânceres mais receptivos à prevenção e detecção precoce incluem: mama, cervical, infância, colorretal, pulmão, linfoma, oral e faríngeo, ovário, próstata e melanoma da pele.

 

Estima-se que no ano de 2019 haverá aproximadamente 131.470 novos casos no país, e cerca de 45.000 deles levarão a óbito. Na Florida, o maior índice é do câncer de mama, onde a estimativa é que no ano de 2019 haja aproximadamente 19.130 novos casos, com cerca de 3.000 óbitos. Esse número pode diminuir, e muito, se houver conscientização sobre a importância da prevenção e do autoexame. Quanto mais cedo o câncer é descoberto, maior a sua chance de cura.

 

A faixa etária entre 40 e 50 anos sempre foi considerada a mais perigosa para o surgimento do câncer de mama; entretanto, nos últimos anos, tem chamado atenção o número de mulheres bem abaixo dos 40 que descobrem a doença, muitas destas com menos de 30 anos.

 

Uma das explicações para essa mudança, segundo pesquisadores e cientistas, está no fato de que há cem anos era normal as adolescentes terem a primeira menstruação aos 15, 16 anos; logo se casavam, tinham vários filhos, e acabavam tendo em média apenas 40 ciclos menstruais. Hoje, muitas menstruam pela primeira vez aos 11 anos, só engravidam perto ou depois dos 30 anos, amamentam pouco, e têm em média 400 ciclos menstruais.

 

Quanto mais ciclos menstruais, maior será o nível de estrógeno circulante no corpo (hormônios relacionados à ovulação e às características femininas), o que pode aumentar a chance de surgir uma má formação celular, o que provocará o câncer de mama. Outros fatores também estão sendo considerados para entender o crescimento de casos de câncer de mama em mulheres com menos de 30, 40 anos. Diante dessa nova situação, especialistas sugerem que o exame comece a ser feito cada vez mais cedo, especialmente se na família da mulher houver algum caso de câncer de mama.

A mamografia é o método mais eficaz de detecção precoce, pois pode identificar o câncer vários anos antes do aparecimento dos sintomas físicos. No entanto, as mulheres devem conhecer seus seios, fazer o autoexame e relatar alterações de tamanho, simetria ou aparência da pele ao seu ginecologista.

Outubro é conhecido mundialmente como o mês dedicado à conscientização, prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama, e por isso trazemos a história de uma mulher que passou pelo processo de um câncer de mama, venceu, e hoje se dedica a tratar e ajudar outras mulheres que estão passando pelo mesmo processo. Conheça a história da Dra. Daniela Gonsalves Shapiro.

 

Dr Daniela Shapiro

Nascida em Santaluz na Bahia, Daniela ainda cursava o ensino médio quando entrou em um programa de intercâmbio e foi para Arkansas, onde esperava apenas estudar inglês e regressar ao Brasil, mas o destino lhe reservava outros caminhos.

 

Seu começo na América não foi nada fácil, foi morar em uma fazenda onde tinha uma rotina bem diferente da sua, e sentia muitas saudades da família e amigos no Brasil. E mesmo com tantas dificuldades, concluiu o ensino médio e decidiu cursar medicina. “O apoio dos meus pais, mesmo que por telefone, foi muito importante para mim; na universidade eu tinha poucos amigos, sentia falta do acolhimento dos brasileiros”, conta a médica.

 

No começo do curso de medicina, Daniela tinha a intenção de se especializar em doenças infecciosas, para tratar, por exemplo, de pacientes com AIDS. Foi então que sua irmã, ainda bem jovem, foi diagnosticada com câncer de mama. E foi naquele momento que decidiu mudar de especialização e ir para a área de Oncologia, na qual se apaixonou, e se sentiu realizada por poder ajudar pacientes que estão enfrentando um momento tão difícil. 

 

Depois de formada, a médica viveu um drama pessoal. “Preocupada com meu histórico familiar, dediquei-me a auto investigar, principalmente depois que comecei a sentir dores no seio esquerdo, apesar de não sentir nenhum caroço. A vigilância me levou a detectar um câncer insitu no seio esquerdo. Optei pela mastectomia (cirurgia de retirada da glândula mamária) nos dois seios, coloquei implantes e tomo remédio até hoje diariamente. Foi uma época muito difícil, de vários questionamentos, mas serviu para que eu pudesse adquirir muito mais forças para ajudar meus pacientes”, conta a doutora.

 

Após vencer a batalha contra o câncer, Daniela focou 100% em sua profissão, que segundo ela precisa amar e ter estrutura psicológica. “Os pacientes com câncer geralmente associam a doença à morte, sem saber que na maioria dos casos há possibilidade de cura ou o prolongamento do tempo de vida com os atuais recursos”, relata a médica, e afirma: “Pela convivência durante os tratamentos, não sou só uma médica, mas uma amiga, companheira, confidente e de uma certa forma, uma incentivadora do meu paciente. O meu espírito se engrandece pela confiança que é dada a mim para tentar amenizar e buscar dias melhores nas vidas dos meus pacientes. Devido à minha situação compreendi melhor o estado emocional que as pessoas envolvidas nessa condição podem passar, por isso me dedico com mais amor, profissionalismo e consciência para tratar os casos que me são confiados, esta é a minha missão”. 

 

Daniela atende em média de 20 a 25 pacientes por dia, sendo que 60% a 70% dos casos são de câncer de mama, e estuda cada caso minuciosamente. “Há casos em que o câncer é mais agressivo, por isso temos que averiguar um para iniciar o tratamento ideal. Sem dúvida, quanto antes for descoberto, maiores as chances de cura, por isso recomendo às mulheres que façam exames preventivos de mama, Papanicolau e colonoscopia; se tiverem casos de câncer na família, é preciso ficar mais atenta. No caso dos homens, também recomendamos que façam outros exames de rotina, como o exame de próstata.” 

 

A doutora se mostra otimista com os novos tratamentos e medicamentos que surgiram nos últimos anos para combater o câncer, e afirma: “A medicina está correndo a mil na parte da Oncologia, muitas novidades excelentes já estão à disposição, e outras estão prestes a surgir. Antes, pessoas morriam em meses, e hoje há tratamentos, como a Imunoterapia, que está sendo revolucionária, com menos efeitos colaterais. Os pacientes estão vivendo mais tempo, até mesmo os prognósticos mais complicados podem viver dez anos mais. Estamos descobrindo as mutações dos genes, e com isso atacando eles diretamente”.

 

Daniela se orgulha por ter vencido o seu próprio câncer, e hoje poder ajudar muitos pacientes a enfrentarem e vencerem essa doença. “Amo o que faço. Vou trabalhar feliz todos os dias por saber que posso fazer a diferença na vida de meus pacientes”, afirma a doutora. 

 

Para marcar um horário e tirar todas as suas dúvidas, entre em contato através do telefone (772) 562-7777. O consultório da Dra Daniela Shapiro fica localizado na cidade de Vero Beach (2 horas e meia de Tampa) no endereço 1460 36th St – Vero Beach, FL 32960.

 

Compartilhar